Japão planeja hackear milhões de equipamentos conectados de seus cidadãos - MIT Technology Review

O governo Japonês tentará hackear dispositivos domésticos conectados à internet nos próximos meses como forma de melhorar a cibersegurança, reporta a NHK World-Japan

Primeiro Hack deste tipo no Mundo: O Programa, que poderá durar até 5 anos, foi aprovado sexta-feira (25 de Janeiro de 2019). Será conduzido pelo Instituto Nacional de Informação e Tecnologia da Comunicação (NICT em inglês). A partir de meados de Fevereiro, o NICT utilizará senhas padrão (default), dicionários e senhas comuns para quebrar a segurança de aproximadamente 200 milhões de dispositivos, começando com webcams e roteadores. Quando eles conseguirem acessar o dispositivo, o dono será avisado e guiado a tomar novas medidas de segurança

Ligação com as Olimpíadas: A pesquisa faz parte de um esforço do governo japonês para melhorar a cibersegurança durante os jogos da Olimpíada de 2020 que irá acontecer em Toquio, conforme informa um oficial do Ministério das Comunicações.

Controvérsias: Existe lógica embasando este projeto. Os dispositivos conectados a tão falada “Internet das Coisas”(IoT em inglês) tendem a tem uma segurança muito precária pois não possuem poder de processamento e poucas atualizações durante o ciclo de vida. O NICT descobriu que 54% dos ciberataques de 2017 tiveram dispositivos de IoT como foco.

Contudo, o estudo levanta várias perguntas terríveis. Por que não incentivar os cidadãos japoneses a mudar suas senhas sem tentar hackea-los? E o que o NICT irá fazer com os dados que capturar? Existe um risco de eles criarem uma grande base de dados identificando dispositivos que não estão seguros e isso se tornar um atrativo(honeypot) para os próprios hackers.

Matéria escrita por Charlotte Jee, traduzida por Francisco Duwe e publicada no MIT Technology Review em 28 de Janeiro de 2019 às 08:52 no link https://www.technologyreview.com/the-download/612835/japan-plans-to-hack-into-millions-of-its-citizens-connected-devices/

Texto revisado e corrigido em 31/01/19 às 22:00 graças à dica do Adriano Lopes